Feeds:
Posts
Comentários

Resenha: Souvenir


Livro:
 Souvenir
Autor(a): Therese Fowler
Editora: Suma das Letras
Páginas: 384

Nota: 3
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

 

~

Por ser um romance de estréia de Therese Fowler e num momento onde, me parece, qualquer um pode começar a escrever, o que nos traz muitos romances mornos e com narrativa pouco desenvolvida, achei o trabalho da autora muito bom! A história é bonita e bem elaborada, os personagens apesar de não tão cativantes, foram bem desenvolvidos e as passagens narradas com profundidade e não superficialidade que é o que tão comumente se encontra hoje em dia.

A história foca o casal Meg Powell e Carson Mckay que eram namorados quando jovens e acabaram separados por uma dívida que o pai de Meg tinha e que só pode ser paga pela oferta nada agradável de Brian em troca dela aceitar seu pedido de casamento. Para tentar salvar a família da falência, Meg se abnega do amor de Carson e casa-se com Brian, mudando o rumo de sua vida totalmente.

Anos se passam até que Meg e Carson se encontrem de novo e percebam que nenhum dos dois foi capaz de apagar o passado, apesar de toda as reviravoltas de suas vidas. Carson se tornou um famoso cantor de Rock que não consegue se apegar a ninguém e Meg descobre que tem uma doença rara e fatal. E mais escolhas permeiam o futuro de ambos.

Continuar Lendo »

Cotidiano

O incansável mecanismo do cotidiano também é inimigo da dor.
Aí pensamos que ela está mais suportável. Mas um movimento inesperado, um som, uma palavra, um cheiro, um objeto desintegra outra vez o que parecia se reestruturar.
É processo complexo que varia em cada pessoa, em cada circunstância. Seja como for, de tropeço em tropeço, de agonia em agonia, retomamos o prumo. Pois mesmo quando de um lado a morte nos abraça, do outro a vida nos chama.

Lya Luft in O Tempo é um Rio que Corre

Resenha: A Farsa de Inês Pereira


Livro:
 A Farsa de Inês Pereira
Autor(a): Gil Vicente
Editora:
 Global
Páginas: 80

Nota: 3
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

~

Desafio Literário!
A Farsa de Inês Pereira, ao contrário de outras obras de Gil Vicente, conta com personagens que correspondem bastante à realidade, sem imagens simbólicas e alegóricas. Os diálogos são naturais e espontâneos, e a obra retrata situações comuns da vida doméstica com um certo exagero, o que a caracteriza como uma comédia.

Não foi, das peças teatrais que li, a que mais me agradou, muito embora tenha achado certas cenas engraçadas e alguns dialogos muito bem elaborados. O que tornou a leitura um pouco desagradável, é que por ter sido escrita em meados de 1500, o português é bastante rebuscado e o texto possui diversas partes em espanhol (sou totalmente avessa a essa lingua).

A história, resumidamente, gira em torno da escolha de Inês Pereira para marido. Inês é uma moça simples e casadoura, mas que possui grande ambição e procura um marido astuto e sedutor. Sua mãe, preocupada com a filha, incita-a a casar-se com Pero Marques, um pretendente arranjado, filho de lavrador. Inês o rejeita por ser ignorante e inculto. Logo, ela conhece Escudeiro, com quem se casa acreditando que enfim encontrara o que desejara.
Continuar Lendo »

Para Nunca Esquecer

– De quantos assassínios estamos a falar?
– Quem sabe? Há um turno de dia e outro de noite, nunca pára. Pelo menos duzentas ou trezentas pessoas de cada vez, e isto só no nosso crematório. Por vezes, é uma vez por dia, outras duas. Muitas vezes os crematórios não dão vazão para queimar os corpos e mandam-nos levar os cadávares para uma clareira do bosque. Içamo-los para um camião e depois é preciso descarregá-los outra vez.
– E enterram-nos?
-Isso exigiria demasiada mão-de-obra! Não querem. Que Deus me perdoe. Regamo-los com gasolina e pegamos-lhe fogo. Depois é preciso apanhar a cinza à pazada e carregá-la num caminhão. Acho que a usam como adubo. Os ossos das ancas são demasiado grandes e o fogo não os consome. É preciso triturá-los.
– Meu Deus…
– Para o caso de alguém não saber… Isto é Aushwitz-Birkenau”. 

. Antonio G. Iturbe in A Bibliotecária de Auschwitz .

Te direi os instantes…

O que te direi? Te direi os instantes. Exorbito-me e só então é que existo e de um modo febril. Que febre: conseguirei um dia parar de viver? Ai de mim que tanto morro. Sigo o tortuoso caminho das raízes rebentando a terra, tenho por dom a paixão, na queimada de tronco seco contorço-me às labaredas. À duração de minha existência dou uma significação oculta que me ultrapassa. Sou um ser concomitante: reúno em mim o tempo passado, o presente e o futuro, o tempo que lateja no tique-taque dos relógios”. 

.Clarice Lispector in Água Viva.


Livro:
 80 anos de poesia
Autor(a): Mario Quintana
Editora:
 Editora Globo
Páginas: 206

Nota: 5
(sendo: 1- Não gostei 2- Gostei pouco; 3- Gostei; 4- Gostei bastante; 5Adorei)

~

Poesia em tudo!
Mario Quintana é de uma doçura infinita. Só de olhar a foto dele atrás do livro me veio um sorriso ao rosto. Tenho para mim (e sei que não posso dizer pois não o conheço intimamente) que Mário era um ser especial. Alguém que vê poesia em tudo, desde as menores coisas até as mais improváveis, só pode ter um coração magnífico e uma alma iluminada!

Neste livro que abrange os 80 anos de poesia do autor, incluindo seus principais livros como “A rua dos Cataventos”, “Sapato Florido” e “Baú de Espantos”, pude notar o quanto quintana tinha a poesia no sangue, conseguia enxergá-la em qualquer objeto e qualquer cenário e foi isso o que mais me chamou atenção nesse livro.

Principalmente quando li “Parada km77”:

…até onde irá a procissão dos postes, unidos, pelos fios, à mesma solidão?

Dentre inúmeras outras tão belas quanto esta. Como é o caso de “A carta”, “O poema”, “Epílogo” e “Crônica”. Mario emociona, cativa com sua escrita simples e tão poética. É impossível não sorrir ou se identificar pelo menos com algo que ele tenha escrito. E para finalizar, uma das coisas mais lindas que já li de Quitana:

“Da vez primeira em que me assassinaram perdi um jeito de sorrir que eu tinha… Depois, de cada vez que me mataram, foram levando qualquer coisa minha…”

Leitura recomendada!

Seres Humanos

Não acredito que existam qualidades, valores, modos de vida especificamente femininos: seria admitir a existência de uma natureza feminina, quer dizer, aderir a um mito inventado pelos homens para prender as mulheres na sua condição de oprimidas. Não se trata para a mulher de se afirmar como mulher, mas de tornarem-se seres humanos na sua integridade”. 

. Simone de Beauvoir in O Segundo Sexo .

%d blogueiros gostam disto: